GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quarta-feira, fevereiro 19, 2014

Coreia do Norte é culpada de crimes contra a humanidade, diz ONU

By on 19.2.14
O fechado regime da Coreia do Norte comete crimes contra a humanidade, como submeter sua população ao extermínio, à fome e à escravidão, e sua liderança merece ser levada ante a um tribunal internacional, afirma um relatório de uma comissão formada pelas Nações Unidas.
"Em muitos níveis, as violações dos direitos humanos encontradas pela comissão constituem crimes contra a humanidade", afirmou a equipe em um comunicado.
"Não são meros excessos do Estado; são componentes essenciais de um sistema político que se afasta dos ideais nos quais alega ter sido fundado."
A comissão responsável por este relatório foi constituída em maio de 2013 pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.
Esta entidade pede em suas conclusões ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que recorra ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para que os responsáveis pelos crimes prestem contas.
No documento também se critica energicamente a violação das liberdades básicas de pensamento, expressão e religião, e o sequestro de cidadãos de seus vizinhos da Coreia do Sul e do Japão.
A comissão investigadora considera que "centenas de milhares de presos políticos morreram nos campos durante os 50 últimos anos, eliminados gradualmente pela fome deliberada, trabalho forçado, execuções, tortura, violações e a rejeição dos direitos de reprodução por castigos, abortos forçados e infanticídios".
Os três juristas internacionais que a integram estabeleceram que o número de campos e de prisioneiros diminuiu devido às mortes e algumas libertações, mas calcularam que de "80 mil a 120 mil prisioneiros políticos se encontram detidos atualmente em quatro grandes campos de concentração para os políticos".
A comissão denuncia "a resposta inadequada" durante os últimos anos da comunidade internacional ante os crimes.
Também pede que "a comunidade internacional aceite a responsabilidade de proteger o povo da Coreia do Norte".
Segundo o chefe da comissão da ONU para a Coreia do Norte, o mundo não pode alegar ignorância como desculpa por sua falha em impedir as violações dos direitos humanos na Coreia do Norte.
"No fim da Segunda Guerra Mundial, muitas pessoas disseram: se nós soubéssemos... Agora a comunidade internacional sabe", afirmou Michael Kirby.
"Não há desculpas para a falta de ação porque 'não sabíamos'", acrescentou.
Ainda segundo a comissão, centenas de pessoas poderão ser responsabilizadas pelos crimes cometidos por Pyongyang.
Os três juristas da comissão não puderam visitar a Coreia do Norte, apesar da solicitação feita a Pyongyang, e por isso tiveram de entrevistar em inúmeros países fugitivos e testemunhas para redigir este informe de 372 páginas.
Indagado sobre o numero de pessoas que poderiam ser consideradas responsáveis por esses crimes cometidos na Coreia do Norte, o presidente da comissão indicou que "pode haver centenas".
O número um norte-coreano, Kim Jong-un, também 'tem uma grande parte de responsabilidade', concluiu Kirby.
'Complô'
O governo norte-coreano, em documento da representação diplomática em Genebra, afirmou que rejeita "categórica e totalmente" o teor do texto.
O documento de duas páginas diz que o relatório é um "instrumento de complô político" e um "produto da politização dos direitos humanos por parte da União Europeia e do Japão em aliança com a política hostil dos EUA".
"No entanto, continuamos a responder fortemente até o final a qualquer tentativa de mudança de regime e a pressões sob o pretexto da ‘proteção aos direitos humanos'", disse o texto.
"A RDPC (sigla oficial da Coreia do Norte) mais uma vez deixa claro que as ‘violações dos direitos humanos' mencionadas no chamado ‘relatório' não existem em nosso país."
'Brutal realidade'
Os Estados Unidos afirmaram que o relatório da ONU mostra "clara e inequivocamente a brutal realidade" dos abusos aos direitos humanos no país governado pelo ditador Kim Jong-un.
A porta-voz adjunta do departamento de Estado, Marie Harf, disse que Washington apoia o relatório e pediu que Pyongyang adote "medidas concretas" para melhorar a situação.
China
A China, por sua vez, reagiu antes mesmo da publicação oficial do relatório. "Eu não vi este relatório, mas a nossa posição a respeito é clara: as questões relacionadas com os direitos humanos devem ser resolvidas através do diálogo construtivo e em pé de igualdade", afirmou o porta-voz de imprensa do ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying.
"Apresentar o relatório ao TPI não ajudará a resolver a questão dos direitos humanos em um determinado país", acrescentou o porta-voz.

Do G1

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts