GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

segunda-feira, fevereiro 24, 2014

Inteligência, Espionagem e Silêncio

By on 24.2.14

Quando Edward Snowden e seu grupo de apoio começaram a abrir o bico sobre a espionagem internacional americana, muitos políticos brasileiros incautos e despreparados em relação aos temas de segurança, defesa e de inteligência, ficaram atordoados e perplexos com as práticas de espionagem dos Estados Unidos no mundo. Na verdade a grande contribuição do espião americano Snowden, além de mostrar o óbvio da espionagem internacional, foi escancarar com os problemas que a área de inteligência no Brasil sofre, seja pelas falhas na estrutura de contra-espionagem, nos pífios e cortantes orçamentos na Guerra Cibernética, como também o engavetamento geral da Política Nacional de Inteligência (PNI).
Mas a preocupação dos nobres deputados e políticos, não estava na simples razão da ingerência americana em território nacional, mas sim que níveis de informações os americanos têm do Brasil, além da inteligência óbvia sobre defesa, segurança, recursos minerais, recursos energéticos, contratos comerciais, projetos estratégicos de infra-estrutura, movimentações militares, espiões estrangeiros em território brasileiro, acordos bilaterais, e tudo o que é óbvio para um serviço de inteligência. Os mesmos estavam mais afoitos com o saber americano sobre corrupção, movimentações políticas, planos de poder, projetos de poder de partidos, entre outras coisas que atrapalham o desenvolvimento de um projeto de país.
O Brasil deveria aprender com o caso Snowden sobre inteligência, e não em transformar um espião traidor em herói (isso ele não é). O Brasil deveria potencializar de uma vez por todas a sua PNI, considerando inclusive o crescimento do narcotráfico, do crime organizado internacional em território brasileiro, a violência gratuita, o contrabando de armas, a segurança de fronteiras, e também o momento irregular e tenebroso que nossos vizinhos sul americanos vivem.
http://1.bp.blogspot.com/-NjSovhc0N4I/UrRD7-HzWkI/AAAAAAABdeM/l7SIFzbNFA8/s1600/Captura+de+Tela+2013-12-20+a%25CC%2580s+11.19.19.pngO caso Snowden me remete a um outro caso, ainda mais grave, que para piorar gera no governo, nos políticos, no Senado Federal e na Câmara dos Deputados, um silêncio ensurdecedor. O caso Romeu Tuma Junior e sua grande defesa em livro, “Assassinato de Reputações – um crime de Estado”, publicado em parceria com o jornalista Claudio Tognolli, e lançado pela editora Topbooks.
O livro é uma grande bomba, que graças ao silêncio ensurdecedor de Brasília, diariamente conquista as primeiras posições de vendagens. Romeu Tuma Junior e Claudio Tognolli conseguiram de forma fantástica, apresentar verdades que está calando muita gente.
E o mais interessante, a grande experiência de Romeu Tuma Junior é apresentada no livro com diversas dicas e apoio para o desenvolvimento de uma atividade de inteligência séria para o Estado e para a defesa da Nação, mas isso, muitas pessoas querem distância. Por quê será?
http://4.bp.blogspot.com/_k3IKh79wICM/S6Qjeby0gGI/AAAAAAAAFnU/C9JtzEuWvO4/s400/Celso_Daniel.jpg
No decorrer das 557 páginas, Romeu Tuma Junior, traz casos emblemáticos como do Barba, o informante de Romeu Tuma no DOPS, como também o mistério da morte de Celso Daniel, que para muitos ainda é um “defunto” que falará. Mas além das denúncias em forma de defesa, pois a própria reputação de Romeu Tuma Junior foi assassinada, a obra traz situações da segurança e inteligência internacional e demonstram como o Brasil ainda é relapso sobre o tema. Quando analisamos com cuidado isso tudo, percebemos o porquê somos tão vulneráveis, e confirmam o quanto a violência cresce de forma exponencial no Brasil.
Tanto pela experiência, como também pelos depoimentos de Romeu Tuma Junior, o mesmo deve ser ouvido pelas instâncias superiores de Brasília, pois sua contribuição, além de corrigir desvios do passado, ajudariam em um novo posicionamento nas áreas de inteligência e segurança pública, inclusive na visão de unificação das forças de segurança, além das Forças Armadas.
Na época do caso Snowden, os deputados brasileiros queriam chamar o mesmo para depor, ou irem até a Rússia (um pulo ali) para entrevistá-lo, e outras cositas mas. Mas perceberam que não ia dar em nada, e que a lógica da espionagem internacional é assim mesmo. O problema é o que nós brasileiros não fazemos. Mas engraçado, o mesmo esforço para Snowden não é feito no caso Tuma Junior. “Mas aí Fábio, o problema não é que não fazemos, é o que fizemos”!!!
Inteligência e silêncio combinam. Mas dá forma que estamos indo, na verdade o silêncio acoberta a falta de inteligência, em todos os sentidos.
Para complementar o processo de inteligência, o governo e o Exército Brasileiro estão criando a Escola de Defesa Cibernética. Uma excelente iniciativa, mas que gera uma dúvida, seus cursos serão à distância. Na boa, um prato cheio para a espionagem internacional. E é óbvio, antes que Snowden fale, os Estados Unidos espionarão sim!
Esperamos ansiosos o próximo livro de Romeu Tuma Junior e Claudio Tognolli, e recomendo ainda, que a obra daria um excelente filme. Pois tem tudo para ser um sucesso de bilheteria, tem espionagem, políticos malucos, assassinatos, terror, palhaços, sexo, andorinhas e até um personagem louco por seu projeto de poder.
Da Exame  Por Fábio Pereira Ribeiro

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts