GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quinta-feira, março 30, 2017

General Patton teria sido assassinado com a conivência de líderes dos E.U.A?

By on 30.3.17
George S. Patton, o maior General combatente da América na Segunda Guerra Mundial, foi assassinado depois do conflito com a conivência de líderes dos EUA, de acordo com um novo livro.

Os diários recentemente encontrados de um assassino do Office of Strategic Services (OSS), o serviço de informação que antecedeu a CIA, revela que os chefes americanos da espionagem queriam Patton morto, porque ele ameaçava expor um conluio aliado com os russos que custaria vidas americanas.

A morte do General Patton em dezembro de 1945, é um dos mistérios duradouros da 2º guerra. Embora tenha sofrido sérios ferimentos num choque de carro em Manheim, ele estava se recuperando, e logo voaria para casa.

Mas depois de uma longa investigação que durou uma década, O historiador militar Robert Wilcox afirma que o cabeça do OSS General "Wild Bill" Donovan mandou um atirador altamente qualificado, chamado Douglas Bazata, silenciar Patton, glorificado com a alcunha "Old Blood and Guts" (Velho Sangue e Tripas).

Seu livro, "Target Patton", contem entrevistas com o Sr. Bazata, que morreu em 1999, e extrai dos seus diários, detalhes de como ele encenou a batida de um caminhão de tropa com o cadillac de Patton, e como atirou no general com um projétil de baixa-velocidade, que quebrou o seu pescoço, enquanto os outros passageiros escapavam sem um arranhão.

O sr. Bazata também sugeriu que quando Patton começou a se recuperar dos ferimentos, funcionários dos E.U.A permitiram que agentes do NKVD, o precursor do KGB soviético, envenenassem o general.

Wilcox contou ao The Sunday Telegraph que quando falou com o Sr. Bazata: " Ele lutava consigo, devido a todas estas matanças que tinha feito. Confessou que tinha causado o acidente, ordenado por "Wild Bill" Donovan".

"Donovan teria dito: "Nós temos uma situação terrível com este grande patriota, ele é descontrolado e nós temos que salvá-lo dele mesmo, e de arruinar tudo o que os aliados fizeram..." Acredito em Douglas Bazata, ele era um excelente cara".

O Sr. Bazata teve uma vida extraordinária. Era membro da Jedburghs, a unidade paraquedista de elite que ajudou a organizar a Resistência Francesa na corrida até o Dia D em 1944.

Ganhou quatro Purple Hearts, uma Distinguished Service Cross, e a Croix de Guerre Française por três vezes devido a seus serviços.

Após a guerra ele se tornou um célebre artista que gozava do patrocínio da Princesa Grace de Mônaco e do duque e da duquesa de Windsor. Era amigo de Salvador Dali, que pintou um retrato de Bazata como Dom Quixote.

Acabou sua carreira como assistente de John Lehman, Secretário da Marinha no governo Reagan, membro da Comissão do 9/11, e conselheiro da campanha presidencial de John McCain.

O Sr. Wilcox também localizou e entrevistou Stephen Skubik, um oficial do Corpo de Contra-informação do Exército dos E.U.A, que soube que Patton estava em uma lista de morte de Stalin. Skubik repetidamente alertou Donovan, que simplesmente enviou-o de volta aos EUA.

"Você tem duas testemunhas fortes aqui," disse Wilcox. "A evidência é que os russos acabaram o trabalho".

O cenário soa muito confuso, mas Wilcox montou um caso constrangedor onde funcionários dos E.U.A tiveram algo a esconder. Pelo menos cinco documentos relacionados com o acidente de carro foram retirados dos arquivos dos E.U.A.

O motorista do caminhão foi enviado para Londres antes de ser interrogado, e nenhuma autópsia foi feita no corpo de Patton.

Com a ajuda de um perito da Cadillac de Detroit, o Sr. Wilcox provou que o carro em exposição no museu de Patton em Fort Knox não é o carro que ele estava. "Isso é um encobrimento, disse o Sr. Wilcox.


Do Arquivos do Insolito - Fonte: Telegraph

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts